Go to Top

Aceitação e Neutralidade

Neutralidade é quando nós atuamos livres de interferência de energias que não são nossas. Neutralidade é poder agir apenas com a nossa energia e nossa verdade o tempo inteiro.

A neutralidade é aquilo que a gente deve ter para ser livre. A liberdade de escolha de nossas ações, vem de um lugar de liberdade, vem de um lugar de neutralidade. É quando estamos escolhendo algo porque quer escolher, pela nossa consciência, não por manipulação de minhas emoções, não por manipulação de alguém que me falou algo.

Neutralidade é agir e não reagir. Quando eu atuou porque alguém me falou algo ou me fez algo, eu estou reagindo as energias dessa pessoa e uma reação não é uma escolha livre. É reagir a energias de outra pessoa e atuar influenciado por esta energia.

Então a neutralidade é a base para poder viver em paz com tudo e com todas as situações. Atuar com neutralidade é uma oportunidade de observar e poder escolher como atuar, é poder a cada passo fazer escolhas conscientes, por estar neutro.

A neutralidade é um desafio, porque não é algo que agente conquista e pronto.  É algo que vamos estar conquistando para o resto da vida. É como se fosse uma sementinha, ela vai germinando e vai crescendo e se tornando cada vez maior, quanto mais cresce mais sombra se tem. Este crescimento, depende de cada um, porque eu posso ser neutro com uma situação e com outra situação eu não consigo ser neutro. Então a neutralidade é algo que cresce a cada momento, ela cresce com o resultado da aceitação. Quanto mais eu consigo aceitar a vida, mas eu consigo ser neutro.

Aceitação e neutralidade são duas coisas que estão sempre em conjunto uma com a outra, um exemplo muito prático:

Por ter feito algo errado ou porque uma pessoa acha que fiz algo errado, ela vem e começa a gritar comigo, ela vem com uma energia agressiva, que não é uma energia positiva, não é uma energia de luz. Ela poderia ter falado comigo de forma tranquila, sem agressividade, com uma energia positiva, com energia de luz. Não é o que a gente faz que determina quem a gente é, é como a gente faz.

Dependendo de como vou reagir a esta situação é que vou criar minha realidade. A realidade se cria de acordo com minha reação, por que eu sou responsável por minha realidade.

Não é o que o outro me fez que vai criar minha realidade, não é pelo outro ter gritado comigo que arruinou meu dia. Não é porque caiu um coco e machucou meu pé, que arruinou minha semana porque não posso andar. São as minhas reações contra estas situações que arruínam meu dia, minha semana ou minha vida.

A reação contra o que quer que seja, é reação. Significa pegar essa energia negativa e devolver para situação. No entanto para eu devolver a energia, eu primeiro preciso me identificar com ela. Reação não é um bloqueio de energia. É receber ela e atuar a partir desta energia negativa. Então quando a gente tem uma reação com alguém ou alguma situação, o que acontece energeticamente? A nível energético, eu me torno esta energia, porque eu absorvi ela, eu me identifiquei com ela, eu me permiti absorve ela.

Então a aceitação e a neutralidade, que estão sempre em conjunto, são as chaves para a gente poder ser livre em qualquer situação de nossa vida.

Relembrando o exemplo citado, se a pessoa grita comigo em qualquer lugar, porque ela está estressada ou por qualquer outro motivo, não importa se a culpa foi minha ou não, essa energia é negativa. No momento em que esta atitude está chegando até mim, eu reconheço dentro de mim que eu sou o responsável pelo encaminhar desta situação. Eu tenho que me tornar responsável por tudo o que acontece na minha vida. Eu sou responsável por saber que o que eu fizer neste momento vai determinar o futuro e não o que aconteceu comigo. Se eu trabalhar a neutralidade dentro de mim e conseguir ver tudo como energia, tenho a oportunidade de trabalhar a neutralidade dentro de mim. Se eu conseguir aceitar apenas como energia, eu posso neutralizar. Porque se esta situação chega, quanto mais consciência eu tenho, eu consigo primeiro observar que isso não é a pessoa, que isso é uma outra energia que está atuando. Talvez porque alguém fez a mesma coisa a cinco minutos atrás e ela ficou estressada. Desta forma isso não é culpa dela também, é responsabilidade dela, mas a agente não pode jogar a culpa.

Quando eu consigo olhar e aceirar essa pessoa, essa situação, é porque estou aceitando que a pessoa não é aquilo que ela fez. É apenas uma pessoa como todas as outras, que um tempo atrás ela não teria essa ação comigo, então eu não posso me identificar quando eu estiver olhando para esta pessoa que ela é agressiva. Ela é apenas uma pessoa, ela não é agressividade, ela apenas é uma pessoa. Isso dentro de mim é o que eu preciso saber, todos os serres humanos são seres de luz. É algo que sempre devemos carregar dentro de nós. Quanto mais a gente reconhece quem a gente é de verdade, fica mais fácil reconhecer a verdade fora também.

Consigo reconhecer a verdade nos outros, a luz nos outros, se consigo reconhecer a mim próprio. Se eu não consigo reconhecer minha luz eu não consigo reconhecer a nos outros, por isso a gente começa a trabalhar dentro de nós próprios. Quando eu consigo reconhecer minha luz e a da outra pessoa, sem eu pensar, apenas sabendo que ela é uma pessoa como qualquer outra, como um ser humano, então eu posso aceitar essa situação. Como aceitar a situação? Aceitar que a pessoa atuou de uma certa forma, que eu não preciso julgar a forma, nem se foi comigo, ela simplesmente atuou de uma certa forma quando estava falando comigo. E quando eu aceito isso, o que sento dentro de mim é paz. Eu me sinto em Paz, não sinto uma emoção negativa com isso, pois não me envolvo emocionalmente com isso.

Então eu estou observando, vendo a situação, mas sabendo que aquilo não entra dentro de mim, eu tenho a neutralidade de observar. Ir em bora, falar com aquela pessoa, ser agressivo, dar uma abraço, o que vou fazer, depende de como percebo e atuo na situação. Se eu aceitar o que aquela pessoa falou, aceitar não é receber, é aceitar que ela falou isso. Posso até falar dentro de mim “isso é a perspectiva dela”. E como eu quero atuar agora? O que eu quero fazer? Eu posso escolher> Talvez seja: eu quero bater nessa pessoa! Eu quero dar um abraço nela! Eu quer ir embora. O nível de minha consciência vai determinar o que vou fazer.

Talvez hoje a melhor coisa que eu posso fazer, o melhor de mim, é simplesmente ir embora. Porque eu não tenho a forca para criar a luz, mais pelo menos eu não alimento a escuridão. Talvez eu nem tenha consciência disso e eu alimento isso. Mas pelo menos eu sei dentro de mim que eu estou caminhando para melhorar a cada dia Não importa onde ,e que eu estou neste caminho, o que importa ,e ter a consciência para isso acontecer. então posso começar a observar, nesse lugar, posso observar as minhas ações. Eu posso começar a ver, aquilo que eu estou tomando como reação, aquilo que eu quero mudar. E eu começo a observar com consciência para poder aceitar. Quando eu verdadeiramente aceito, isso já não mexe dentro de mim. Porque eu aceitei como uma ação de alguém e então dentro de mim, eu tenho a possibilidade, a liberdade de escolher aquilo que ,e verdadeiro para mim. E se eu olho, de um lugar neutro, se eu vejo uma pessoa que aciona de um lugar assim, talvez ela esteja precisando de um abraço, talvez ela esteja simplesmente precisando de falar isso. Mas o que vai determinar o resto de meu dia ou da minha semana ,e a minha reação. A minha ação.

Aí entra o nosso caminho de evolução. De saber que agente esta sempre evoluindo. Talvez hoje o meu melhor, á não fazer nada, talvez amanhã, o meu melhor, seja falar alguma coisa. Talvez outro momento, meu melhor, seja abraçar essa pessoa. Talvez outro momento, seja ficar calado e saber dentro de mim, quando essa pessoa estiver tranquila, ou vou expressar o que senti por essa pessoa. Mas desde onde, e o que eu estou fazendo? Desde amor ou desde a separação? Se agente sabe que agente, é responsável por cada uma de nossas ações, e isso não tem como se escapar, a nossa ação, é a nossa ação, não tem justificativa para nossas ações. Então agente também sabe que agente tem a capacidade de através de nossa ação expressar deus, expressar o amor.

O primeiro passo, é não criar guerra, o segundo passo, é criar amor, é criar vida, é criar luz. Evoluir. O primeiro passo é que tudo fique em equilíbrio, e esta tudo bem neste lugar. O segundo passo é poder verdadeiramente ajudar. Talvez essa pessoa, se agente da um abraço nela e tem que vir bem de dentro, agente transforma a vida dessa pessoa. Através de nossas ações positivas agente transforma as situações. Geralmente não é quando as coisas estão tudo perfeitas é nas situações difíceis que agente se enfrenta na nossa vida. Quando esta tudo bem, talvez a pessoa não necessita de ajuda. Pois muitas vezes nesse momento, o nosso ego, quer ajudar a outra pessoa. Mas se a gente for olhar verdadeiramente, se a gente for olhar nos pequenos detalhes de nossa vida agente esta constantemente se deparando com situações onde a gente pode escolher fazer algo a mais. A gente pode escolher ajudar um pouco mais, seja ajudar alguém a carregar uma mesa.

Em vez de olhar como eu posso ajudar o mundo, se eu simplesmente olhar já dentro da dinâmica de nossa vida como o simples fato de viver um dia neste mundo, agente tem mil possibilidades para dar um passo a mais. Ou seja, não reagir a uma situação negativa, não alimentar a escuridão, é criar luz. Talvez eu tenha uma situação no meu trabalho, onde tem uma pessoa que sempre vem e sempre cria essa forma, seja por mim ou por ela. Começando a observar e me tornando responsável pela situação, eu sempre vou poder trabalhar dentro de mim, pois eu sempre estou olhando para dentro de mim. São nestes pequenos detalhes que agente pode olhar, escolher, reconhecer, e atuar. E o que acontece? Talvez uma pessoa vem e agente tem esse habito, de sempre criar esse lugar. Uma vez eu não relaciono com algo, a segunda vez eu também não relaciono, na terceira a pessoa vai ficar tão mexida dentro que ela não vai ter a coragem de atuar desde este lugar. Porque a luz é sempre mais forte que a escuridão.

Se você não alimenta um fogo ele se apaga. E talvez desta forma através do exemplo de ser, essa pessoa talvez nunca mais vai atuar assim com ninguém, ou talvez não, mas você fez sua parte. Não é aceitar o negativo, é aceitar o ser de luz, é perdoar o negativo. Nesse preciso instante, perdoar essa pessoa, agradecer essa pessoa, por ter nos dado a oportunidade de testar a nossa força. Agente sempre tem essa oportunidade, quanto maiores os desafios maiores são as oportunidades de testar aquilo que é nossa verdade. Porque o que adianta eu ser neutro dentro de uma cabana sozinho, olhando para as estrelas? Adianta para eu reconhecer, mais depois eu preciso atuar. Para que possa viver minha verdade no mundo, porque agente não quer criar um mundo separado.

Tem muitas formas de ajudar o mundo, mas a numero um, a primeira que agente tem que atuar, é atuando a nossa verdade. Como falava o Gandhi: “seja a mudança que você quer ver no mundo” essa é a primeira que agente deve saber, além de tudo aquilo que agente quer criar e aquilo que vocês vão descobrindo com o tempo, quanto mais vocês atuam a verdade, a vossa verdade, quanto mais se atua a luz, mais essa luz fica forte, e menos negativo chega. A maior proteção energética que se pode fazer a si próprio, a maior limpeza energética, é viver a verdade, porque a escuridão, a energia de separação, só pode se identificar com aquilo que esta escuro dentro de nos próprios. Senão ela pode ficar a nossa volta, mas ela não entra aqui dentro. Então se agente vive com impecabilidade, aquilo que agente sabe, a cada momento, agente vai estar sempre, sempre protegido. Mais importante do que se proteger de algo de fora, é que a luz de dentro brilhe tanto que não consiga ter nada a nossa volta a não ser luz.

Fingir que está tudo bem,  é como proteger uma criança, e não deixar que ela caia. A criança nunca vai aprender a andar. Quando ela aprender a andar, e aprender a verdadeiramente caminhar, ela não vai cair mais.

As emoções são como um GPS, são como um termômetro, ela sempre vão nos mostrando o que esta acontecendo, se esta bem, se não esta bem, mas elas não devem ser nossos guias, tanto as emoções positivas quanto as negativas. Eu não devo escolher fazer algo por euforia, eu não devo escolher fazer algo por tristeza. Nada que venha de um lugar emocional, deve me guiar verdadeiramente para aonde eu tenho que ir. Pelo contrario, as emoções elas me guiam simplesmente para me mostrar, opa!, opa! Está saindo do seu caminho! Tem que voltar para o seu caminho! ” e do outro lado é “está tudo bem” mas tenha a clareza do seu caminho. Muitas vezes por euforia também agente acaba criando muita coisa que não é verdadeira, atuando muita coisa que não é verdadeira. Então as emoções são com um termômetro, de estar neste lugar neutro é poder escutar uma pessoa e não reagir a essa situação.

Quanto mais agente começa a escolher desde uma reação à uma pessoa, como agir com uma pessoa como escolher algo em nossa vida, qualquer coisa que seja e agente toma consciência que agente deve sempre atuar da nossa neutralidade. Por exemplo: muita agente tem o impulso de quando agente está desequilibrado emocionalmente, de comer. Vou comer porque eu não estou equilibrado emocionalmente, como chocolate, como farinha, geralmente é com farinha e chocolate. O que sugere é que agente tampa essas emoções, e agente não tem a oportunidade de ver o que elas nos mostram. São grandes mestras nossas emoções. Elas vêm nos mostrar “opa vem um pouquinho por aqui, vem um pouquinho por ali”, são nossas guias. Se agente está bem equilibrado e sem essa emoção, agentes está livre de escolher. Esse lugar é sempre felicidade. Então é muito bom com agente esta com algo emocional, de olhar porque.

Utilizar esses mestres para nos ensinarem e não de tampar esse lugar com ”ha então eu estou me sentindo mal emocionalmente, eu vou comer ou falar com uma pessoa para me distrair”. As distrações nunca vão me permitir enraizar aquilo que é verdadeiro.

Lembrem-se, se uma pessoa vem e fica sempre falando coisa com você, então, você está sempre aceitando isso, ou seja você aceita. Mas lembra do que falei também, cada um neste momento vai saber como atuar, talvez seja sair, esperar para falar, a grande história é não reagir. Senão você está reagindo aquela energia do momento. Nessa situação, se você tem uma pessoa que está sempre te incomodando, você pode tomar uma ação como colocar limite nela, conversar com ela, mas observe se você está fazendo isso de um lugar de separação ou amor. Como você o faz? lembra o que falei ? Não é tanto o que você faz mas como você o fez. Então você pode ter a clareza com essa pessoa, para expressar sua verdade, para trazer amor, trazer equilíbrio.

Não é algo contra a pessoa, se você escolhe, pois você é livre para escolher, você pode falar com a pessoa, mas ao mesmo tempo você permanece olhando para dentro de você. sempre tudo é um aprendizado. Você faz o melhor que você pode. Talvez amanhã seja outra coisa. Faz o melhor que você desde este lugar de neutralidade, você sempre vai criar amor. Não é indo contra a pessoa, mas trazendo clareza, pois você também deve ter amor por si próprio. Se tem algo que não está bem, talvez seja sentar com essa pessoa e falar com ela.

Para você trazer clareza, você sempre vai saber o momento. Cada um de nós tem que saber aquilo que deve fazer, no momento correto. Não ir deixando essa energia estancada por aí, sem saber o que fazer com ela. Talvez essa pessoa necessite de uma palavra sua, ou talvez não precisa de nada, talvez sejam suposições suas, nunca se sabe. Isso é muito importante. Tudo é sempre como um reflexo nosso.

E aí você vai com cada passo fazendo seu melhor, e a chave é a aceitação e a neutralidade, a neutralidade é a possibilidade de você atuar sua verdade. Fazer sempre o seu melhor. O única coisa que podemos fazer na vida é o nosso melhor. O que mais posso fazer se estou dando o melhor de mim? Você vai verdadeiramente quando você faz o melhor de você sem estar envolvido em uma reação emocional, você vai sempre ajudar, pois é a nossa natureza criar amor, é a nossa natureza ser amor, ser união, pois é a nossa natureza ser deus. E se deus é amor e união, então isso é natural.

Por isso quando agente tem tanto trabalho em perdoar uma pessoa, e quando agente perdoa ela agente fala, “uau” como eu amo essa pessoa. Quando eu não amo essa pessoa estou rejeitando deus nessa pessoa. É muito simples na verdade.

Fonte: Este texto teve como base o texto Disciplina escrito por Lola de Piracanga